Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Após Anvisa rejeitar sputnik, Mauro se reúne com outros governadores para se posicionar


05
Esta postagem foi publicada em 27 de abril de 2021 Destaque 1, Notícias.

Alegando ausência de dados consistentes e confiáveis, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou autorização para a importação da vacina russa Sputnik V, imunizante contra a Covid-19 aplicado em mais de 50 países e com 91% de eficácia comprovada. A decisão tomada nesta segunda-feira (26) atinge diretamente Mato Grosso, que estava entre os estados que haviam comprado 37 milhões de doses para vacinar a população.

O governador Mauro Mendes (DEM) pretendia adquirir 1,2 milhão de doses para o estado e chegou a assinar um contrato com a fabricante russa no valor de R$ 67,3 milhões. O Supremo Tribunal Federal (STF) chegou a autorizar os estados a adquirirem a dose, mesmo sem o aval da Anvisa, porém, de acordo com o chefe do Executivo a fabricante teria avisado que não enviará as doses sem a aprovação da agência reguladora.

Diante disso, o governador avisou nesta manhã que irá se reunir com os demais governadores discutir o assunto e se posicionarem de maneira conjunta. Além da questão da saúde pública, existe ai um conflito político. Isto porque o governo Federal não vem cumprindo com os envios de doses prometidas.

A decisão negativa por parte da Anvisa foi baseada, principalmente, em relatório produzido pela Gerência Geral de Monitoramento de Produtos Sujeitos à Vigilância Sanitária (GGMON), que identificou diversas falhas no desenvolvimento do produto, em todas as etapas dos estudos clínicos que deram origem ao imunizante (fases 1, 2 e 3).

Além disso, também foi constatada a ausência ou insuficiência de dados de controle de qualidade, segurança e eficácia. Conforme a Anvisa, uma das informações preocupantes com relação à avaliação dos dados disponíveis até o momento é que as células onde os adenovírus são produzidos para o desenvolvimento da vacina permitem sua replicação.

Os técnicos da Anvisa alegam que isso acarretar infecções em seres humanos, podendo causar danos e óbitos, especialmente em pessoas com baixa imunidade e problemas respiratórios, entre outros problemas de saúde.

Além de Mato Grosso, outros 13 estados enviaram pedidos de importação da vacina Sputnik V para a Anvisa. Trata-se do Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Sergipe e Tocantins, além dos municípios fluminenses de Maricá e Niterói.

De acordo com o relator do processo, diretor Alex Machado Campos, a decisão é um retrato do momento. Ele destacou que a Agência é conhecida por viabilizar o acesso a medicamentos e vacinas e que, neste momento de pandemia, a instituição tem atuado no limite, mas que não há flexibilização em relação à segurança dos produtos.

O relator afirmou também que o desafio diário da Anvisa é estabelecer se os benefícios das vacinas superam os riscos relacionados ao produto. “A segurança é um aspecto inalienável diante da incerteza do risco. Chegamos até aqui de mãos dadas com a ciência e amparados por evidências”, disse o diretor.
Fonte: Leia Agora

WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-

DIA DAS MÃES