Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Candidatura do DEM em Cuiabá vira ‘drama’


007.
Esta postagem foi publicada em 14 de agosto de 2020 Destaque Slide Topo, Notícias.

A novela no DEM sobre a candidatura à Prefeitura de Cuiabá está longe de acabar. Nesta sexta-feira (14), várias reuniões devem acontecer entre os membros para tratar do pleito e o maior “drama” seria a participação de Fábio Garcia ou não como candidato à majoritária na Capital. O conflito seria porque a família do suplente de senador não estaria de acordo com sua candidatura. Fábio, porém, tem o sonho de entrar na disputa, mas quer a garantia de que todo o partido vai estar comprometido com seu projeto.

 

Um dos entusiastas de sua candidatura é o pai de Fábio, o empreiteiro Robério Garcia tendo em vista o histórico familiar já que ele é neto de Garcia Neto, que foi prefeito de Cuiabá e governador de Mato Grosso. Porém, outra parte da família não estaria de acordo, uma vez que Fábio ajuda a administrar as empresas da família. Além disso, em 2018 o ex-deputado federal que não concorreu à reeleição chegou a afirmar que deixaria a carreira política para cuidar da família e retomar a carreira empresarial.

 

Sem a definição de Garcia e com o nome do deputado estadual Eduardo Botelho também fora do rol de possíveis candidatos, Marcelo Bussiki, que atualmente é vereador pelo DEM em Cuiabá, é a 2ª opção do partido, que não abre mão de uma candidatura própria na Capital. O parlamentar tem planos de ir à reeleição na Câmara, mas colocou seu nome à disposição do partido.

 

Além do apoio do governo, ‘Fabinho’ ainda deve tentar um consenso com a ala mais veterana do partido, que tem como líder o senador Jayme Campos. Mesmo sendo suplente de Jayme, Fabio e os Campos estão em grupos opostos dentro do partido. Um lado é composto por lideranças aliadas a Mendes e outra a família Campos que desde o início do mandato do governador vem se estranhando em situações como composição e outros. A sinalização não é boa, já que Jayme anunciou que deve apoiar um candidato ao Senado que não faz parte do governo e outros dois nomes brigam pelo apoio de Mauro Mendes.

 

 

 

 

Fonte: Gazeta Digital


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-