Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Chamado de bandido, Taques nega “ter medo de voz grossa” e processará conselheiro em MT


16
Esta postagem foi publicada em 10 de março de 2020 Notícias, Política.

O ex-governador Pedro Taques (Sem partido) rebateu nesta terça-feira (10), as declarações do conselheiro do Tribunal de Contas, Antônio Joaquim, que declarou ter sido vítima de “armação bandida” de ex-tucano e do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que teriam  “articulado” seu afastamento por motivos políticos. No entanto, Taques alega que só fez seu papel como então chefe do Executivo e sinalizou que irá processar o membro afastado do TCE pelas declarações recentes.

“Ele fez um pedido ao governador, eu, então exercendo esse cargo, pedi parecer para a Procuradoria Geral do Estado, que era comandada pelo Rogério Gallo, e no parecer Gallo disse que deveria ser comunicado ao STF a respeito desse pedido do conselheiro afastado Antônio Joaquim, uma vez que o Supremo através do Ministro Fux, estava presidindo uma investigação contra o Antônio Joaquim. Eu só comuniquei o Supremo e o STF determinou que a aposentadoria não pudesse sair. Depois disso, eu não fiz absolutamente nada a não ser cumprir a lei. O Doutor Gallo não fez absolutamente nada a não ser cumprir a lei”, disparou Taques em entrevista a Rádio Capital.

Delatado pelo ex-governador Silval Barbosa como um dos conselheiros que o extorquira com a cobrança de propina, para não atrapalhar no andamento das obras da Copa do Mundo, Antônio Joaquim disse que está pagando por uma pena antecipada.

No fim de 2017, mesmo afastado, o conselheiro protocolou sua aposentadoria na Corte de Contas, que foi deferida pelo então presidente, conselheiro Domingos Campos Neto. Todavia, antes de sancionar a aposentadoria, o então governador Pedro Taques encaminhou o caso ao ministro do STF, Luiz Fux – que relatava a Operação Malebolge na Suprema Corte -, que recomendou para não aposentá-lo.

O ex-governador enfatizou que nãos se arrepende da atitude e que se fosse necessário assinaria o ofício novamente. “Assinaria o oficio novamente. Eu assinaria a comunicação ao Supremo, não me arrependo dela porque estava cumprindo a lei, a Constituição da República,  a Constituição do Estado de Mato Grosso e o regimento interno do TCE-MT. Cumpri meu papel de governador e não me arrependo do que fiz, assinaria novamente”.

Além de Joaquim, outros quatro conselheiros – José Carlos Novelli, Sérgio Ricardo, Valter Albano, e Waldir Teis – foram afastados por determinação do ministro Luiz Fux a pedido de Rodrigo Janot durante a Operação Malebolge, 12ª fase da Ararath, da Polícia Federal.

“Depois disso o Superior Tribunal de Justiça manteve o afastamento dele, Antônio Joaquim e de outros conselheiros. Eu quero dizer que eu não sei o caso dos outros conselheiros, eu não posso pré julgar quem quer que seja, mas o caso do conselheiro Antônio Joaquim ele estava tentando fugir, subtrair do julgamento do STF e do STJ. Por isso ele pediu a aposentadoria, eu não sou culpado da lei estabelecer isso”, complementou Taques.

Após ser chamado de “bandido”, Taques nega qualquer desafeto com o conselheiro, mas aponta que, não se assusta com voz grossa dele. “O que ele está dizendo de mim, que eu sou bandido, que eu sou isso e aquilo, isso a justiça vai resolver. Eu não estou mais em tempo de ficar batendo boca com o Antônio Joaquim, se ele acha que tem voz grossa, por isso ele é honesto, ele é um homem e que põe medo em qualquer pessoa, ele precisa entender que nós vivemos em uma democracia. A Justiça resolve isso”, aponta.

Ne tarde desta segunda-feira (10), Antônio Joaquim reuniu a imprensa para manifestar sua indignação contra a decisão judiciais que o mantém fora da corte de contas. Com lágrimas nos olhos, ele apontou ser vítima de uma grande injustiça.

No entanto, Taques finaliza sugerindo que ele mantenha a “calma”, até que tudo seja resolvido. “Conselheiro Antônio Joaquim, calma! O seu processo vai se resolver. Eu cumpri a minha posição constitucional com parecer fundamentado da PGE de MT. E mais uma vez eu quero dizer que o Antônio Joaquim está sendo investigado, ele não é culpado de absolutamente nada enquanto não tiver decisão transitado em julgado.

 

Fonte: Folha Max


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-