Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook

Chefe do Gaeco revela dificuldades em casos de “poderosos” em MT


1111
Esta postagem foi publicada em 22 de setembro de 2021 Destaque Slide Topo, Notícias.

O chefe do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), promotor Roberto Turin, publicou nesta terça-feira (21) uma nota se solidarizando com os procuradores de Justiça, Ana Cristina Bardusco e Ezequiel Borges, alvos de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) no Conselho Nacional do Ministério Público. O PAD foi resultado de uma denúncia do empresário Eder Augusto Pinheiro, dono da empresa Verde Transportes numa reclamação disciplinar contra Ana Cristina e Ezequiel Borges.

 

A denúncia de Éder Pinheiro aponta que ambos estariam praticando uma perseguição ao empresário e “pessoalizando” a questão discutida no bojo de investigações criminais derivadas da Operação Rota Final, deflagrada em 25 de abril de 2018. A investigação desarticulou um esquema de fraudes no edital do Sistema de Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado de Mato Grosso (STCRIP/MT) lançado pela Secretaria Estadual de Infraestrutura (Sinfra-MT), responsável pela concessão do transporte público intermunicipal de passageiros, um negócio de R$ 11,25 bilhões.

No texto, Turin cita que os profissionais estão sofrendo o processo disciplinar por excesso de zelo e coerência no exercício de suas funções. Ele também destacou o trabalho árduo dos dois membros do MPE para a realização de licitações do transporte coletivo. 

Por fim, o promotor acrescentou que ambos têm seu apoio, confiança e solidariedade. Também qualificou a situação como “esdrúxula” e alertou que o MPE tem dificuldades para atuar em casos envolvendo grandes interesses políticos e econômicos.

CONFIRA A NOTA NA ÍNTEGRA

Uma situação esdrúxula e que mostra a complexidade e a dificuldade de atuação do Ministério Público em casos envolvendo grandes interesses políticos e econômicos. Basicamente estes Promotores de justiça (hoje ambos já foram promovidos ao cargo de Procurador de Justiça) estão sofrendo um processo disciplinar por excesso de zelo, coerência e tenacidade no exercício de suas funções.

Quem acompanhou minimamente a luta hercúlea do MP MT para que fossem realizadas as licitações do transporte coletivo urbano sabe que foram ajuizados inúmeros processos e que durante, a nem sempre célere tramitação, ocorreram dezenas de liminares e recursos tanto na área cível quanto criminal. A imprensa sempre teve interesse sobre estes fatos e as ações e operações públicas foram noticiadas e nunca houve entrevista ou exposição midiática dos Promotores, ao contrário Ana Bardusco e Ezequiel são colegas muito técnicos e muito reservados .

Enfim, duros ossos do ofício. É preciso resiliência e muita disposição além de vocação e bons princípios e isso, graças a Deus, não falta a estes colegas e ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Vamos em frente enfrentar mais este percalço. Eles (Ezequiel e Ana Bardusco) tem meu total apoio, confiança e solidariedade.

Fonte: Folha Max


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Politica de Privacidade!

-