Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

CPI estuda enviar ao MPE e CNMP depoimento em que Silval acusa procurador de MT


123
Esta postagem foi publicada em 3 de março de 2020 Destaque Slide Topo, Notícias.

Ex-governador disse que teria comunicado a Prado que sofria extorsões de parlamentares entre 2010 e 2014.

O vereador Diego Guimarães (PV) disse em plenário que irá sugerir que a Comissão Parlamentar do Paletó envie o conteúdo do depoimento do ex-governador Silval Barbosa, realizada nesta segunda-feira (02), para a Corregedoria Geral do MPE (Ministério Público Estadual) e também ao Conselho Nacional do mesmo órgão. O objetivo é avaliar a suposta má conduta do ex-procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Paulo Prado.

Ele teria, conforme acusou Silval durante o depoimento, se omitido diante das denúncias de supostas pressões exercidas pelos 24 deputados entre 2010 e 2014 para manterem um sistema de propinas estabelecido em R$ 600 mil, para cada um, para que estes votassem matérias do interesse do Executivo na Assembleia Legislativa.

Cada parlamentar à época recebia R$ 50 mil por mês. “Apesar de não ser esse o objeto da CPI e, portanto, não vai constar no relatório, a Câmara não pode se omitir e por isso vai encaminhar as denúncias para os órgãos competentes, para que eles investiguem qual foi a conduta do procurador Paulo Prado e dos membros do MPE”, disse durante a sessão.

Procurado, ele informou por meio de sua assessoria que ainda avalia — junto com seu departamento jurídico — se irá mesmo protocolar a documentação nos órgãos de controle da atuação de promotores e procuradores. Isso porque ele depende que os membros da CPI, ele não está entre eles, o façam.

Marcelo Bussiki (PSB), Toninho de Souza (PSD) e Sargento Joelson (PSC), portanto, devem avaliar e juntos decidirem se enviam ou não o relatório. “Ficou de estudar e ficou por isso mesmo. Não estou vinculando parentesco de nada. Não foi negada audiência. Falei com Paulo o que estava acontecendo. E não era só com a Assembleia Legislativa. Relatei que estava passando dificuldades das mais diversas. Ele ficou de analisar e dar resposta. Ele disse que queria gravar e flagrar todo mundo, mas ficou por isso mesmo”, frisou.

 

 

Fonte: Folha Max


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-