Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Essencial é a vida, diz presidente do Sintep sobre possível volta às aulas


02
Esta postagem foi publicada em 16 de abril de 2021 Destaque Slide Topo, Notícias.

Valdeir Pereira afirmou que medida coloca em risco a vida de mais de 120 mil profissionais

No meio do furacão sanitário que já matou mais de 8 mil pessoas no estado, os deputados da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) aprovaram nesta quarta-feira (14), em segunda votação, a inclusão da Educação como atividade essencial do Estado.

A decisão atende a pressão das instituições privadas e de muitas redes municipais para a abertura das unidades escolares para atendimento presencial dos estudantes.

A medida aprovada pelos deputados, com forte pressão do setor privado, parte de movimento de pais e prefeitos, coloca em risco a vida de mais de 120 mil profissionais (toda a Educação Básica e Ensino Superior, público e privado), além de quase 1 milhão de estudantes e os respectivos familiares.

O presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, reprovou a medida, pois com definição jurídica de essencial do Projeto irá restringir até mesmo as orientações encaminhadas pelos gestores públicos que têm tratado a pandemia com muita responsabilidade e feito muito esforço para preservar vidas. “A lei demandará muitas mobilizações. Na educação pública a greve será um instrumento para assegurar a vida dos trabalhadores, a vida vem em primeiro lugar”, declara Valdeir.

O dirigente lembra, que nem mesmo a vacinação para os grupos prioritários foram asseguradas. E, mesmo com o anúncio da solicitação de autorização para reservar 10% das vacinas contra a covid-19, que o Estado receberá, para a imunização dos profissionais da educação, não resolverá. Só será possível o retorno às aulas presenciais com segurança, com estudantes incluídos na necessária imunização e familiares. Caso contrário, todos estarão em risco de contágio e morte.

Nas redes sociais do Sindicato, manifestações contra a decisão dos deputados é vista como resistência à retomada do trabalho dos professores. “As pessoas ignoram que a pandemia e o trabalho remoto são muito mais sacrificantes para o professor, que trabalha sem jornada, utilizando equipamentos particulares e com a casa invadida pela escola. É deles a maior expectativa para a volta às aulas presenciais, desde que tenham segurança”, afirma Valdeir.

“Retorno sem vacina será chacina reafirmamos que a nossa defesa é a vida. Infelizmente, para a maioria dos cidadãos de Mato Grosso só restam os hospitais públicos e lotados. Mas, a deputados que foram contaminados pela Covid-19 e tiveram o quadro agravado foram assistidos por hospitais que não atendem a população em geral”, concluiu.

 
Fonte: Muvuca Popular

WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-

anigif2