Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Falsa médica ordena sequestro e extorsão de prefeito de Colniza de dentro da prisão


07
Esta postagem foi publicada em 1 de agosto de 2020 Destaque 1, Notícias.

Presa pelo homicídio do ex-prefeito de Colniza (1.065 km a noroeste de Cuiabá), a falsa médica Yana Fois Coelho Alvarenga contratou bandidos para sequestrar e extorquir o atual prefeito da cidade, Celso Leite Garcia, 50 anos. A encomenda foi feita de dentro da Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, onde a criminosa está presa.

A Polícia Civil cumpriu três mandados de prisão contra alvos investigados em inquérito que apura os crimes de sequestro e extorsão praticados contra o prefeito. Além de Yana, que teve o mandado de prisão cumprido dentro da penitenciária, um outro bandido que também está preso por outro crime teve mandado cumprido dentro na prisão em Lucas do Rio Verde. O homem que sequestrou e fez as ameaças contra o prefeito, que não teve o nome divulgado, foi preso na zona rural do município de Novo Mundo, na região norte do estado.

Investigação

Em abril deste ano, o prefeito de Colniza, Celso Leite Garcia, procurou a Polícia Civil relatando que no dia 17 daquele mês, por volta das 18h, foi abordado quando chegava a sua residência. Um veículo modelo Ônix parou na frente da casa e dois homens desceram do carro e o renderam. Armado com uma pistola, um dos homens pediu que a vítima dirigisse para fora da cidade, sendo acompanhado pelo Ônix. No trajeto, o homem que estava com o prefeito no carro ligou para uma terceira pessoa perguntando o que era para fazer com a vítima. A pessoa ao telefone, que foi identificada nas investigações como a mandante do crime, disse que o prefeito deveria pagar um valor e que estava no cargo somente em virtude da morte do gestor anterior, ocorrida em 2017.

Após esse contato, a vítima foi levada a uma chácara fora da cidade, onde os dois suspeitos esconderam os carros e continuaram cobrando dinheiro do prefeito e insinuando que poderiam matá-lo. A vítima relatou ainda que ficou com os suspeitos por aproximadamente três horas e disse que pagaria o que eles pediram, mas que não conseguiria tudo de uma vez. Após o acordo, os dois homens liberaram o prefeito informando que enviariam uma conta para a transferência do dinheiro e o ameaçaram caso a promessa de pagamento não fosse cumprida ou fizesse denúncia.

Prisões

A partir das informações coletadas, a equipe da Polícia Civil de Colniza, coordenada pelo delegado Henrique Madureira Espíndola, iniciou a investigação e chegou à identificação dos executores e da mandante dos crimes, que está presa na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá. A mulher é indiciada em outro inquérito sobre o homicídio do ex-prefeito de Colniza, Esvandir Antônio Mendes, ocorrido em dezembro de 2017.

Um dos suspeitos presos nesta sexta-feira pela equipe da Polícia Civil de Guarantã do Norte foi localizado na zona rural de Novo Mundo, na região norte do estado.

O outro suspeito teve o mandado de prisão cumprido no Centro de Detenção Provisória de Lucas do Rio Verde, onde já estava custodiado por outra ocorrência criminal quando foi preso com o carro Ônix utilizado no crime em Colniza.

Além dos mandados de prisão, a Polícia Civil de Colniza cumpriu também buscas na casa da mulher investigada como mandante do crime.

As investigações sobre os crimes praticados contra o atual prefeito de Colniza prosseguem para identificar se há o envolvimento de outras pessoas.

Homicídio de Esvandir Mendes

O ex-prefeito de Colniza, Esvandir Mendes, conduzia uma Toyota SW4 preta quando foi interceptado por dois criminosos em um veículo SUV preto, a cerca de sete quilômetros da entrada da cidade. O veículo dos criminosos foi ao encontro da caminhonete, momento que foram efetuados vários disparos contra Esvandir, que ainda conseguiu dirigir, mas, acabou morrendo dentro do veículo. Outros dois disparos feriram o secretário municipal de Finanças que estava no mesmo veículo. O fato ocorreu por volta das 18h40 do dia 15 de dezembro de 2017.

Cinco pessoas foram indiciadas por envolvimento na morte do ex-prefeito, sendo uma delas a mulher que teve o mandado de prisão cumprido nesta sexta-feira.

 

 

 

 

Fonte: Repórter MT


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-