Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Governo de MT decreta emergência ambiental por 6 meses e adianta período proibitivo de queimadas


02
Esta postagem foi publicada em 20 de maio de 2021 Destaque Slide Topo, Notícias.

Medida é preventiva por causa da alta probabilidade de ocorrência de incêndios florestais com o início do período de estiagem, a partir deste mês.

O governo de Mato Grosso decretou emergência ambiental, entre os meses de maio e novembro, e adiantou o período proibitivo de queimadas na zona rural em todo o estado. Na zona urbana, as queimadas são proibidas o ano todo. A medida de regulamentação foi publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (18).

A medida é preventiva por causa da alta probabilidade de ocorrência de incêndios florestais com o início do período de estiagem, a partir deste mês.

Mato grosso já é o estado com maior número de focos de calor no país até agora, com 2.661 focos, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O decreto de emergência vai possibilitar a contratação imediata de 100 brigadistas temporários para auxiliar as forças de segurança no combate aos incêndios florestais.

Com a determinação, fica proibida qualquer atividade de limpeza de pastagem com o uso do fogo nas áreas rurais entre os dias 1º de julho a 30 de outubro.

O estado anunciou que já investiu mais de R$ 2,5 milhões e inaugurou uma unidade do Corpo de Bombeiros em Poconé, para atuar em caso de incêndios no pantanal. Também foram investidos R$ 3,5 milhões para aquisição de materiais e equipamentos para ações de combate aos incêndios.

O estado informou que também intensificou, desde o início do ano, o monitoramento por satélite de todo o território mato-grossense para identificar alterações de vegetação e focos de calor com rapidez.

Imagens de satélite mostram que o centro-oeste inteiro está seco e corre o risco de novos incêndios florestais. Mato grosso se divide em vermelho claro, que indica risco alto, e vermelho escuro, risco altíssimo.

No ano passado, a seca foi um dos fatores do aumento dos incêndios que devastaram as terras indígenas e causaram uma tragédia ambiental no Pantanal, com 4,5 milhões de hectares destruídos pelas chamas, segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

 

 

Fonte: G1 MT 


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-