Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

José Dirceu vai se entregar à PF nesta sexta


08
Esta postagem foi publicada em 17 de maio de 2019 Notícias, Política.

O advogado do ex-ministro José Dirceu (PT), Roberto Podval, afirmou que o petista vai se entregar à Justiça. Nesta quinta (16), o Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF-4) rejeitou o recurso do petista, no âmbito de processo em que foi sentenciado a 8 anos e 10 meses de prisão, e determinou “a imediata expedição de ofício ao Juiz Federal para que inicie a execução provisória da pena”. Com a decisão, o ex-ministro pode ser preso a qualquer momento.

Dirceu deverá se entregar à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba até às 16h desta sexta (17). O pedido para se entregar em Curitiba, mesmo local em que está preso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foi feito pela defesa do ex-ministro.

“Como sempre José Dirceu respeitará a decisão e se entregará espontaneamente”, afirmou o defensor de Dirceu. Procurado pelo Metrópoles, o ex-ministro disse que se pronunciaria apenas por meio de seu advogado.

Já condenado em uma primeira ação da Lava Jato a 30 anos, nove meses e 10 dias de reclusão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e pertinência a organização criminosa, Zé Dirceu encontra-se em liberdade por decisão da 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu habeas corpus a ele para que a prisão não se dê antes do esgotamento da análise de recursos.

Além do petista, também recorreram por meio de embargos infringentes em outro processo e tiveram o pedido negado pelo TRF-4 o irmão de Dirceu, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, e os sócios da construtora Credencial, Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique de Oliveira Macedo.

Segundo o tribunal, o caso envolveu o recebimento de propina em contrato superfaturado da Petrobrás com a empresa Apolo Tubulars, fornecedora de tubos para a estatal, entre 2009 e 2012.

Na época, a defesa ainda solicitou que, em caso de negativa ao recurso, a prisão de Dirceu não fosse determinada até que houvesse resultado nos tribunais superiores. Esse pedido também foi negado. (Com informações de agências)

 

 

Fonte: RD News


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-