Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Juíza suspende ações para Bosaipo e outros acessarem delação


090359e4cfaa1515e9adc7e4632d79b0
Esta postagem foi publicada em 28 de abril de 2020 Destaque Slide Topo, Notícias.

A juíza Célia Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, suspendeu nove ações derivadas da Operação Arca de Nóe, que apurou esquema que teria desviado dezenas de milhões de reais da Assembleia Legislativa entre os anos de 1999 e 2002.

 

O objetivo é que os réus tenham acesso e possam se defender das informações prestadas pelo ex-deputado estadual José Riva em seu acordo de colaboração premiada.

 

A decisão foi publicada nesta segunda-feira (27).

 

 

Além de Riva, são réus nas ações o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e ex-deputado estadual  Humberto Bosaipo, o ex-governador Silval Barbosa, os ex-servidores da Assembleia Nasser Okde, Guilherme da Costa Garcia, Cristiano Guerino Volpato, Juracy Brito e Geraldo Lauro e os irmãos contadores José Quirino Pereira e Joel Quirino Pereira.

 

 

Uma das ações, propostas pelo Ministério Público Estadual (MPE), aponta o desvio superior a R$ 2 milhões, que ocorreu mediante 44 pagamentos a “D. P. Quintana Publicidade”, empresa de fachada que simulava a entrega de produtos para a Assembleia.

 

Outra ação revela o desvio de R$ 1,8 milhão mediante 33 pagamento feitos a empresa “A. L. C Serviços”, também de fechada e criada, segundo o MPE, para simular a entrega de produtos para o Legislativo.
Conforme o Ministério Público, parte do desvio teria sido usada para pagar dívidas com o bicheiro João Arcanjo Ribeiro, ex-chefe do crime organizado em Mato Grosso, e outra parte para pagamentos pessoais e financiamento de campanhas eleitorais.

 

Em sua decisão, a juíza informou que autos já estavam conclusos para análise e recebimento ou rejeição da inicial, mas visando garantir o exercício do contraditório e da ampla defesa, conforme ela, é necessário que as partes tenham conhecimento do teor do anexo que se refere ao processo e integra a colaboração firmada por José Riva.

 

“Diante do exposto, determino que seja solicitado ao ilustre desembargador Marcos Machado [relator da delação premiada], o anexo da colaboração que se refere aos fatos apurados nesta ação. Determino a suspensão destes feitos até que o mencionado anexo seja compartilhado com este Juízo, o qual, inicialmente, será arquivado em sigilo na Secretaria da Vara”, determinou.

 

 

 

 

Fonte: Midia News


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-