Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

MT tem a maior taxa de ocupação de UTIs do país


04
Esta postagem foi publicada em 22 de julho de 2020 Destaque 2, Notícias.

Estado com maior aceleração da transmissão do coronavírus, Mato Grosso é também, entre as unidades federativas, a que mais apresenta ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Brasil. O apontamento faz parte do Boletim Observatório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Dos 4 Estados em que a ocupação está em alerta, Mato Grosso desponta, ultrapassando os 90%. Goiás, Brasília e Bahia também aparecem na lista com ocupação variando entre 80%.
O levantamento da Fiocruz refere-se as duas últimas semanas. O estudo revela a taxa de 0,8 leito de UTI a cada 10 mil habitantes. O número não varia muito entre as unidades federativas, tanto que no Brasil são 0,9 leito a cada 10 mil. A Fundação traz ainda Mato Grosso como o estado onde houve maior incidência da pandemia. Nas últimas semanas, o crescimento médio diário de casos foi de 4,1% e o de óbitos foi de 0,8%. O Estado que mais se aproxima de Mato Grosso em casos é Santa Catarina, onde o percentual de crescimento diário foi de 3,7%.
Pesquisador da Fiocruz, Diego Xavier reforça que o levantamento reflete o número de casos novos e Mato Grosso ainda não apresenta nem estabilização e nem queda. A expectativa é que o cenário de mortes e infectados continue em alta pelo menos por mais um mês. O pesquisador salienta que o que vem sendo demonstrado no Estado é uma falta de política com investimentos em UTI, por exemplo. Ao contrário, Xavier reforça que o Estado vem apostando na distribuição de medicamentos.
“Os casos novos, grande parte evolui para quadros graves. E, diante dessa falta de UTI, evidentemente o número de óbitos será maior’, afirma Diego Xavier.
Pesquisa
Segundo a Fiocruz, o Observatório irá apresentar dados, de forma clara e didática, da situação dos estados brasileiros e do Distrito Federal em relação ao cenário epidemiológico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e da covid-19, assim como da capacidade do sistema de saúde para o enfrentamento da pandemia. A ideia é que o documento dê subsídio na tomada de decisões.

 

 

 

 

Fonte: Gazeta Digital


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-