Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

“Não temos como correr atrás das pessoas para testar”, diz Mauro Mendes sobre subnotificação


07
Esta postagem foi publicada em 24 de maio de 2020 Destaque Slide Topo, Notícias.

O governador Mauro Mendes afirmou que a subnotificação de casos da Covid-19 também tem acontecido em Mato Grosso. Ele explicou que apenas quem tem procurado o sistema de saúde tem sido testado, mas como a doença pode ser assintomática em alguns casos, nem todos os infectados procuram. O Estado já adquiriu 20 mil testes PCR e 10 mil testes rápidos, mas Mauro disse que a responsabilidade de realização e compra dos testes é, principalmente, dos municípios.

Além dos 30 mil testes que o Estado de Mato Grosso já adquiriu, os próprios municípios têm comprado os testes. O Ministério da Saúde tem enviado verba para esta finalidade. O governador disse que o Estado tem realizado testes, mas nos casos de pessoas não testadas por falta de exames, quem deve prestar esclarecimentos é o Município.

“Quem faz atenção primária, quem recepciona o cliente é a Prefeitura. A Santa Casa, por exemplo, é um hospital de referência, mas a porta de entrada é a UPA, a Policlínica. Se a pessoa chegar com sintomas, o Município tem que ter o teste, porque o Ministério da Saúde deu dinheiro pra isso. Mas o Estado tem testes, nós estamos testando nossos profissionais da saúde constantemente, temos 45 laboratório credenciados em 15 municípios. Então, existe uma rede criada no Estado”.

Mauro ainda disse que a situação da subnotificação acontece no mundo todo justamente porque em alguns casos a doença é assintomática. Ele reforça que, para que seja testada, a pessoa que desconfie estar com Covid-19 deve procurar a rede de saúde.

“A história da subnotificação é real no mundo inteiro, porque tem gente que pega a doença e é assintomático, é uma característica da doença. E se a pessoa não procurou o sistema de saúde, não temos como correr atrás deles para testar. Se tá faltando teste, tem que perguntar para o prefeito, que recebeu dinheiro e não foi pouco. O que falta não é dinheiro, é outra coisa, mas aí é a sociedade que vai julgar”.

 

 

Fonte: Olha Direto


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-