Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Pais preocupados, provas suspensas e aluno expulso


08
Esta postagem foi publicada em 16 de abril de 2019 Destaque 2, Notícias.

No fim da tarde desta segunda (15), o autônomo Daniel Vardasco levou a filha de 13 anos até a porta da quadra do colégio Coração de Jesus, em Cuiabá, para que a jovem fosse à aula de Educação Física. Comumente, ele não acompanha a garota no local. Porém, hoje foi um dia atípico. “Achei melhor trazê-la, por conta dos últimos acontecimentos”.

Os acontecimentos aos quais o homem se refere envolvem um adolescente de 15 anos. Na noite de domingo (14), o jovem, que estudava no Coração de Jesus, gravou um vídeo ameaçando cometer um atentado semelhante ao de Suzano (SP), no qual dois jovens invadiram uma escola. Ao todo, incluindo os responsáveis pelo ataque em São Paulo, 10 pessoas morreram.

A publicação do jovem causou pânico entre estudantes e pais do colégio de freiras da Capital. “Uma tia me ligou e disse para eu não deixar meu filho na escola. Mas eu já estava na porta do colégio e não tinha outra opção”, conta uma empresária, que pediu para não ser identificada, mãe de um estudante de 12 anos.

A mulher comenta que caso soubesse do ataque horas antes, não teria levado o filho para a escola. “Eu preferiria evitar, assim como outros pais preferiram. Mas não tinha como voltar para casa naquele momento, então confiei na segurança da escola e o deixei aqui”, relata a empresária, momentos antes de entrar na escola para buscar o garoto.

Desde a manhã desta segunda, a segurança na unidade de ensino foi reforçada. Policiais militares permaneceram com viaturas na frente e na lateral do colégio durante todo o dia, sob a argumentação de que deveriam coibir qualquer tipo de ataque no local. “Nunca tinha ficado tanta polícia assim por aqui”, disse uma idosa, vizinha da escola.

Daniel Vardasco afirma confiar na segurança oferecida aos alunos pela unidade de ensino. “Sei que é uma escola que preza muito pelo bem-estar dos estudantes, então não fico tão preocupado”, diz.

Por meio de comunicado, divulgado no fim da tarde desta segunda, o colégio lamentou o caso do aluno. A instituição informou que tomou todas as providências cabíveis e fará campanhas de conscientização. “A segurança e bem-estar emocional dos alunos são preocupações primordiais neste momento. As aulas seguirão normalmente”, informa a nota da unidade de ensino.

Desde o período da manhã, os funcionários do Coração de Jesus têm recebido incansáveis telefonemas de pais que perguntam sobre a situação na escola. “A orientação é dizer que todo o problema foi resolvido”, comenta uma funcionária.

Uma aluna do oitavo ano relata que os professores do colégio passaram quase uma hora em uma reunião durante esta manhã, no período do recreio. Depois, comunicaram aos estudantes que as provas programadas para esta semana seriam adiadas. “Por conta do caso desse aluno, eles disseram que não iriam aplicar avaliações, que estavam previstas para amanhã, quarta e quinta”, relata.

A aluna conta que se assustou quando chegou à escola nesta manhã. “Havia muitos policiais aqui dentro. Eu não sabia o motivo, só descobri depois que era por causa do vídeo desse aluno”.

Expulso e alvo da polícia

Horas após as imagens do rapaz com uma arma repercutir nas redes sociais, o pai do adolescente gravou um vídeo se desculpando pela atitude do filho. O homem diz ter ficado preocupado com as publicações do jovem, porém afirma que o rapaz é “de boa família e incapaz de cometer uma atrocidade”.”Quero tranquilizá-los. Trata-se de um menino muito bom. Ele errou, já chamamos a atenção dele”, afirma.

O pai do jovem ainda justifica que as armas que aparecem nas mãos do estudante são de brinquedos, utilizadas  em paintball. “É uma pessoa de bem, foi criado às duras lutas que temos todos os dias para pagar escola para ele. Fiquem tranquilos. Isto é apenas uma brincadeira de mau gosto, extremo mau gosto”, declara.

Nesta segunda, após uma reunião na escola, os responsáveis pela unidade de ensino decidiram pela expulsão do adolescente. “Ele não faz mais parte do nosso quadro de alunos”, comenta uma funcionária do colégio.

Em virtude do vídeo, o jovem passou a ser investigado pela Polícia Civil. Ele poderá ser responsabilizado criminalmente por apologia ao crime. Nesta tarde, ele prestou depoimento às autoridades policiais. As investigações sobre o caso continuam.

 

 

 

Fonte: RD News/Vinícius Lemos


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-

anigif2