Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Parados há quase 2 meses, grevistas se acorrentam no Paiaguás


02
Esta postagem foi publicada em 22 de julho de 2019 Destaque Slide Topo, Notícias.

Um grupo de servidores da Educação realiza um protesto na manhã desta segunda-feira (22), em frente ao Palácio Paiaguás. Eles estão acorrentados e pedem que o Governo do Estado apresente uma proposta para por fim à greve da categoria, que teve início em 27 de maio.

O professor Robinson Cireia afirmou que o grupo deve permanecer no local ao longo do dia e já planeja outros atos como forma de chamar atenção do Executivo.

Segundo ele, o governador Mauro Mendes (DEM) adotou uma postura “intransigente” e se recusa a negociar com os profissionais que cobram, entre outros pontos, o cumprimento da lei da dobra do poder de compra, que dá direito a 7,69% a mais anualmente na remuneração durante 10 anos.

“O governador nos deixou nessa situação, ele nos prendeu na greve. Queremos uma proposta para poder libertar a Educação, para poder voltar às aulas dos estudantes. Só depende dele mandar a proposta”, disse o professor, ao MidiaNews.

Ele afirmou ainda que os profissionais já apresentaram uma série de alternativas ao Executivo como, por exemplo, a possibilidade de o reajuste ser concedido de forma parcelada.

Todas, no entanto, segundo Cireia, foram negadas pelo Governo. “O governador tem sido muito intransigente. Ele bateu o pé numa birra, disse que não poderia fazer um parcelamento. O discurso que ele adotou é só falar que não tem, não tem, não tem”, criticou o educador.

“Sabemos que já houve incremento de receita no quadrimestre, o Estado vai crescer ainda mais e ele já poderia ter feito uma proposta. Estamos acorrentados aqui pra ver se sai uma proposta do governador”, acrescentou.

A greve

Os servidores da Educação estão parados desde o dia 27 de maio e exigem, além do cumprimento da dobra de compra, o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA).

No último dia 10 de julho, a Assembleia Legislativa apresentou uma proposta ao Governo para pagar os 7,69% divididos em três parcelas.

A primeira seria de 2,6% a ser paga na folha salarial de agosto;  a segunda (2,6%) entraria na folha de novembro e a última (2,49%) em fevereiro do ano que vem.

O Governo, no entanto, não acatou a proposta alegando estouro da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que estabelece o limite máximo de gastos com folha salarial em 49%. Mato Grosso já atinge 58,55%.

 

 

Fonte: Mídia News


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-