Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook

Polícia faz ação contra grupo que exigia “taxa” de moradores


2764c054bf94fa18ac2fd0d418db7118
Esta postagem foi publicada em 10 de novembro de 2021 Destaque Slide Topo, Notícias.

A Polícia Civil deflagrou na manhã de quarta-feira (10) a Operação Bereu, contra uma organização criminosa que exigia taxa de moradores do bairro Tijucal, em Cuiabá. O líder do grupo comandava o esquema de dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE).

Ao todo, são 52 mandados judiciais contra alvos de uma organização, sendo 25 ordens de prisões preventivas e 27 de buscas e apreensões. As medidas são cumpridas em locais de Cuiabá e Várzea Grande, além de mandados cumpridos na PCE.

Segundo as investigações da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) a organização criminosa exigia taxas para moradores integrarem o próprio bando, cobranças a empresários do bairro e também taxas para que “bocas de fumo” pudessem funcionar na região. 

O principal líder está preso e de dentro da PCE dava as ordens a seus subordinados para agirem no bairro.

Bereu

A GCCO identificou outros dois criminosos que atuavam como líderes de rua no bairro e eram o “braço direito” do criminoso que está preso. As determinações eram feitas por meio de cartas, que são conhecidas dentro de unidades prisionais como `bereu’, nome que deu origem à operação.

Essas cartas, interceptadas pela Polícia Civil, foram escritas pelo líder da organização criminosa dentro da PCE e nelas constavam as mais variadas ordens de como os criminosos que estavam nas ruas deveriam agir e cumprir as determinações.

Em análise do conteúdo das cartas, policiais da GCCO identificaram a exigência da cobrança de taxas aos integrantes do grupo criminoso. Em caso de inadimplência, eram aplicadas sanções, como agressões físicas.

As cartas demonstraram ainda que o tráfico de drogas no Tijucal era dominado pelo grupo, com a cobrança de pagamentos para o comércio de entorpecente, assim como a droga vendida era fornecida pela própria organização criminosa.

O inquérito policial instaurado pela GCCO comprovou, até o momento, que pelo menos 20 pessoas foram cadastradas para participarem e integrarem a organização criminosa.

Os investigados poderão responder pelos crimes de integrar organização criminosa, tráfico de drogas, associação para o tráfico, entre outros crimes correlatos.

 

 

 

 

Fonte: Mídia News


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Politica de Privacidade!

-

76C16F68-917F-4C88-8DC1-7D0A4250D2A3 155878a9-213d-4c2f-9e12-54738fc50437