Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Polícia Federal e MPF também investigam 33 empresas em Mato Grosso na nova fase da Ararath


09
Esta postagem foi publicada em 18 de junho de 2020 Notícias, Política.

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal cumpriram ontem mandados de busca e apreensão a 3 conselheiros afastados de suas funções no Tribunal de Contas do Estado (Jose Carlos Novelli, Waldir Teis e Sergio Ricardo), além de 8 empresas, 8 pessoas físicas, duas fazendas e houve apreensões de documentos na sede do tribunal Além das buscas, o relator acatou pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para a quebra de sigilos e para compartilhamento de informações entre os investigadores e a Receita Federal relacionadas a 33 empresas e 30 pessoas físicas com o objetivo de reunir novas provas de um esquema criminoso que desviou recursos públicos do Estado de Mato Grosso durante o governo de Silval Barbosa.

As medidas executadas ontem configuram mais uma etapa de investigação iniciada no Supremo Tribunal Federal, que tem como objeto desvios ocorridos entre 2012 e 2018. Neste caso específico, são investigados cinco conselheiros do TCE – já afastados dos cargos por decisão judicial. As investigações tiveram como ponto de partida, entre outras provas, informações fornecidas em acordos de colaboração premiada firmadas entre investigados e o Ministério Público Federal. Um dos colaboradores declarou que o então governador Silval Barbosa, pagou R$ 53 milhões aos conselheiros que, em contrapartida, deveriam aprovar as contas da gestão e não apresentar obstáculos ao andamento de projetos e obras do Executivo estadual, sobretudo voltados para os preparativos para a Copa do Mundo de 2014″, informa o MPF.

Com o aprofundamento das investigações na chamada Operação Ararath, o caso, que tinha como relator na Suprema Corte o ministro Luiz Fux, foi desmembrado. As investigações preliminares apontam a utilização – por parte dos conselheiros – de empresas e de pessoas físicas para esconder o recebimento das vantagens indevidas. Estão sendo apuradas as práticas dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Foram cumpridos mandados de buscas em algumas delas, nesta quarta.

Na petição enviada ao STJ, em que solicita as medidas cautelares, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araujo descreve a atuação dos próprios conselheiros e de pessoas ligadas a eles em um esquema complexo que inclui dezenas de operações comerciais financeiras. É o caso de compra de imóveis e empresas como um motel, que teria como sócio um dos conselheiros investigados, e um buffet, de propriedade de outro integrante do TCE. No documento, a autora destaca que, embora, parte dos investigados já tenha sido alvo de medidas cautelares, as novas buscas são necessárias para o esclarecimento completo do esquema criminoso.

“Como o inquérito corre sob sigilo, não serão divulgados, neste momento, os nomes das pessoas e empresas atingidas pelas medidas cautelares. Em relação às buscas na sede do Tribunal de Contas do Estado, a ordem judicial é destinada especialmente às secretarias de Tecnologia da Informação e de Administração, que deverão fornecer dados referentes a contratos firmados pela Corte de Contas com empresas investigadas no esquema criminoso”, conclui o MPF.

 

 

 

 

Fonte: Só Notícias


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



-