Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Prefeito de Peixoto e Guarantã decidem em reunião não montar “barreira do Coronavírus” devido os custos


94fd050b3eb6840ce2ec06ff75e80580
Esta postagem foi publicada em 12 de maio de 2020 Destaque Slide Topo, Notícias.

Prefeitos alegam falta de recursos, mas vão receber mais de R$ 11 milhões do Governo Federal.

Os prefeitos de Peixoto de Azevedo e Guarantã do Norte, Maurício Ferreira e Érico Stevan Gonçalves, respectivamente, decidiram após reunião com secretários municipais de Saúde de Terra Nova do Norte, Matupá e Novo Mundo (cidades que fazem parte do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região do Vale do Peixoto) que não vão montar barreira sanitária na divisa de Guarantã com o estado do Pará como forma de monitoramento da entrada de pessoas possivelmente infectadas com Coronavírus (Covid-19) devido ao custo operacional.

Maurício, que também é presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde explicou, em entrevista, ao Só Notícias, que os municípios não têm condições financeiras para manter as ações. “Cada município terá que cuidar das suas entradas. Sem ajuda financeira do governo do Estado, é quase que impossível fazer uma barreira sanitária. São mais de 800 carretas por dia e não vamos conseguir fazer essa fiscalização. O problema mais grave é que o Estado declarar que nosso hospital é para ser referência para o sul do Pará também. Com o Ministério Público, vamos recomendar ao Estado para que formalize isso através de documentos”.

Ainda segundo o prefeito, o Hospital Regional de Peixoto não tem estrutura suficiente para atender pacientes que estão vindo do Pará. “Nós já atendemos através do consórcio cinco municípios. Dessa forma, o Estado pode assumir a administração do hospital e toma conta disso. Quando tem problemas, o Estado trata o hospital com referência e regional. Agora, quando é para repassar recurso é consórcio. Tem cinco anos que recebemos R$ 618 mil para manter o hospital. No ano passado, nos atendemos fora Covid-19 atendemos 120 pacientes do Pará de cidades que não fazem parte do consórcio. São pessoas de Cachoeira da Serra, Moraes Almeida e Castelos dos Sonhos. Somos só tratados como regional quando tem problemas para resolver”, expôs.

No Pará, de acordo com informações da secretaria Estadual de Saúde já foram confirmados mais de 6,7 mil casos, 2.735 descartados, 3.525 recuperados e 678 mortes de Coronavírus até o último sábado. Mato Grosso tem 18 mortes desde o início da pandemia.

A alegação de falta de recursos, porém é divergente, pois segundo o Governo Federal do dia 15 ao dia 21 vai cair nas contas das prefeituras do Portal da Amazônia mais de R$ 38 milhões de reais exclusivamente para combater o Covid-19.

Peixoto de Azevedo e Guarantã do Norte respectivamente vão receber mais de 11 milhões de reais.

Fonte: Só Notícias


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-