Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed  | 

Facebook

Sites de Cuiabá reforçam fábrica de desinformação


vvhcspmqsjsbtv7pltk75ipnuviac177sjaif5ecp0igijrj
Esta postagem foi publicada em 22 de junho de 2021 Destaque Slide Topo, Notícias.

Alguns sites com sede em Cuiabá seguem atuando distantes do bom jornalismo e como uma verdadeira fábrica de desinformação social. O caso mais recente envolve o deputado federal Juarez Costa (MDB).

Nesta segunda (21), os dois sites divulgaram as seguintes manchetes “STJ mantém Juarez condenado à perda dos direitos políticos por 3 anos em ação civil” e “STJ mantém condenação e deputado de MT pode ficar fora da eleição”.

Ocorre que entramos em contato com a assessoria jurídica do parlamentar, pois defendemos sempre a informação correta. O advogado Rafael Baldasso emitiu nota afirmando que “A condenação mencionada não gera qualquer repercussão nos direitos políticos e na elegibilidade do Deputado Juarez Costa, pois todas as decisões proferidas no processo afastaram expressamente a ocorrência de prejuízo ao erário e/ou enriquecimento ilícito, não se enquadrando, portanto, em nenhuma hipótese de inelegibilidade prevista na Lei da Ficha Limpa”.

 

Confira a íntegra da nota do advogado:
Em relação à matéria publicada na data de 21/06/2021, com o título “STJ mantém Juarez condenado à perda dos direitos políticos por 3 anos em ação civil”, a defesa do Deputado Federal Juarez Costa esclarece o seguinte:

1 – Ao contrário do que consta do título da matéria, o STJ não manteve a condenação do Deputado Juarez Costa à perda dos direitos políticos por 3 anos;

2 – A referida penalidade já havia sido afastada pelo próprio Tribunal de Justiça de Mato Grosso, sendo que o recurso interposto junto ao STJ visava reverter a condenação de multa;

3 – A condenação mencionada não gera qualquer repercussão nos direitos políticos e na elegibilidade do Deputado Juarez Costa, pois todas as decisões proferidas no processo afastaram expressamente a ocorrência de prejuízo ao erário e/ou enriquecimento ilícito, não se enquadrando, portanto, em nenhuma hipótese de inelegibilidade prevista na Lei da Ficha Limpa;

4 – Por fim, a defesa esclarece que manejará, oportunamente, o recurso cabível contra a decisão monocrática proferida pelo STJ;

Rafael Baldasso – Advogado

 

 

 

Fonte: mtnoticias


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Politica de Privacidade!

-