Bem Vindo, visitante! [ Cadastre-se | EntrarRSS Feed

Facebook

Vacina de Oxford produz resposta imune em idosos acima de 70 anos


08
Esta postagem foi publicada em 19 de novembro de 2020 Destaque 2, Notícias.

A vacina potencial contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, produziu uma forte resposta imune em idosos com mais de 70 anos de idade.

Os dados sobre a segunda fase de estudos clínicos foram publicados na quinta-feira (19) na revista científica “The Lancet”, que é referência mundial na área farmacêutica.

Os pesquisadores testaram a dose, denominada ChAdOx1 nCoV-19, em um experimento com 560 adultos saudáveis, incluindo 240 com mais de 70 anos, para observar seu impacto no sistema imunológico e possíveis efeitos colaterais.

Os “resultados preliminares promissores” indicam que esta vacina SARS-CoV-2 oferece “resultados de segurança e imunogenicidade semelhantes em idosos saudáveis do que naqueles com idade entre 18 e 55 anos”, segundo o texto da Lancet.

Os dados, obtidos no final de outubro, mas publicados na íntegra somente hoje, sugerem que pessoas com mais idade, mais suscetíveis a morerr em decorrência da covid-19, podem desenvolver uma robusta imunidade.

“As respostas robustas de anticorpos e células T vistas em pessoas mais velhas em nosso estudo são encorajadoras”, disse Maheshi Ramasamy, consultor e co-investigador principal do Oxford Vaccine Group.

Dentro de 14 dias após a primeira dose, os pacientes geram uma resposta das células T. Já a geração de anticorpos ocorre 28 dias após a dose de reforço (que atacaria o vírus quando ele circula pelo sangue ou sistema linfático).

“Esperamos que isso signifique que nossa vacina ajude a proteger algumas das pessoas mais vulneráveis da sociedade, mas mais pesquisas serão necessárias antes de termos certeza”, completou.

Entenda os testes

Nos testes da fase 2, os voluntários com mais de 55 anos foram divididos em dois grupos e receberam uma ou duas doses da vacina em um período de 28 dias. Todos foram observados desde o início para detectar efeitos adversos, bem como a resposta imune.

Os autores observam que os efeitos colaterais do imunizante foram “leves” (como dor à injeção, fadiga, dor de cabeça, febre ou dor muscular), embora mais comuns do que com a vacina de controle.

Treze casos graves foram detectados nos seis meses após a primeira dose, mas não são foram considerados relacionados às vacinas.

Os pesquisadores explicam que os efeitos colaterais foram ainda menos comuns em adultos mais velhos do que jovens, e a resposta imunológica foi “semelhante” em todas as faixas etárias após a dose de reforço.

A vacina induziu anticorpos contra a proteína de pico do coronavírus 28 dias após a primeira dose pequena ou quantidade padrão em todas as faixas etárias. Após a vacinação de reforço, o nível de anticorpos aumentou 56 dias após o início do experimento, e o mesmo aconteceu com os anticorpos neutralizantes 42 dias depois.

Por sua vez, a resposta das células T contra a proteína spike do coronavírus culminou 14 dias após a primeira inoculação, independentemente da idade ou da dose.

Testes finais e limitações

undefined

A pesquisadora Sarah Gilbert diz que este estudo “responde a algumas das questões” levantadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre a necessidade de vacinas contra covid-19 protegerem também os idosos.

No entanto, ressalta que outras “questões sobre a eficácia e a duração da proteção” ainda precisam ser respondidas e a vacina também deve ser testada em idosos com patologias para garantir que proteja aqueles que têm maior risco de evoluir para quadros graves.

Os autores reconhecem que os testes divulgados hoje “têm limitações”. Por exemplo, informaram que as pessoas mais velhas do experimento tinham uma idade média de 73 ou 74 anos e eram saudáveis.

Além disso, acrescentam, a maioria dos voluntários de qualquer idade eram brancos e não fumantes. Por isso, na terceira fase, os testes clínicos se estenderão a pessoas de diferentes origens.

Os testes em estágio final, ou fase 3, estão em andamento para confirmar as descobertas, disseram os pesquisadores. Essa fase também vai testar se a vacina protege contra a infecção com SARS-CoV-2 em uma ampla gama de pessoas, incluindo aquelas com outros problemas de saúde.

Os resultados da fase 3 devem ser definitivamente conhecidos até o Natal, disse o diretor do Oxford Vaccine Group, Andrew Pollard.

Fonte: R7


WhatsApp

Nenhum banner para exibir



Nenhum banner para exibir

Nenhum banner para exibir

-